Aumentar fonte:

Número de investidores ativos no Tesouro Direto cresce em 163,5 mil nos três primeiros meses de 2019

Aumento é superior ao observado nos dez primeiros meses do ano passado

 

 

Base de investidores

 

Em março de 2019, o total de investidores ativos no Tesouro Direto, isto é, aqueles que atualmente têm saldo em aplicações no programa, atingiu a marca de 949.850 pessoas. No mês, 53.520 investidores tornaram-se ativos, o que representa um crescimento de 5,97% em relação ao mês anterior. Neste ano, o acréscimo de investidores ativos no programa (163.522) ultrapassou o observado nos dez primeiros meses do ano passado (158.335). Por sua vez, o número de investidores cadastrados no Tesouro Direto cresceu em 210.397, ou 5,86% na comparação com fevereiro. Em 2019, o programa teve um aumento de 687.488 investidores cadastrados, valor superior ao incremento de 564.765 apresentado de janeiro a julho de 2018.

 

Operações de investimento

 

No mês de março de 2019, foram realizadas 456.476 operações de investimento em títulos do Tesouro Direto, segundo maior número mensal de operações da série histórica, atrás somente de janeiro de 2019. O total dessas operações foi de R$ 2,37 bilhões. Durante esse mês, os resgates foram de R$ 1,35 bilhão, sendo esse valor composto somente por recompras, dado que não houve vencimentos. Como resultado, houve venda líquida de R$ 1,02 bilhão, um aumento de 42,31% em comparação ao mês anterior. O valor médio de operação atingiu sua segunda menor marca na série histórica, registrando R$ 5.184,49. Além disso, aplicações até R$1 mil representaram 65,05% do total, maior percentual da série histórica. Esses resultados mostram maior inclusão de pequenos investidores no programa.

 

O título mais demandado pelos investidores foi o Tesouro Selic. Essa predominância ocorre desde junho de 2017. No mês em referência, o Tesouro Selic representou 47,06% das vendas, com R$ 1,11 bilhão. Por sua vez, as vendas de títulos remunerados pela inflação (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais) somaram R$ 728,66 milhões e corresponderam a 30,79% do total, enquanto as de prefixados (Tesouro Prefixado e Tesouro Prefixado com Juros Semestrais), totalizaram R$ 524,22 milhões, ou 22,15%.

 

Nas recompras, predominaram os títulos indexados pelo IPCA (Tesouro IPCA+ e Tesouro IPCA+ com Juros Semestrais), que somaram R$ 609,13 milhões (45,12%). Os títulos indexados à taxa Selic totalizaram R$ 557,34 milhões (41,29%), os prefixados, R$ 183,45 milhões (13,59%). 

 

A exemplo do que ocorreu no mês anterior, a maior parcela das vendas se concentrou nos títulos com vencimento entre 5 e 10 anos, que alcançaram R$ 1,88 bilhão, valor equivalente a 79,42% do total. Em seguida, as aplicações em títulos com vencimentos acima de 10 anos representaram 14,95%, enquanto os títulos com vencimento de 1 a 5 anos corresponderam a 5,63%. 

 

Estoque

 

Em março de 2019, o estoque do programa fechou em R$ 57,60 bilhões, um crescimento de 2,74% com relação ao mês anterior (R$ 56,06 bilhões).

 

Os títulos remunerados pelo IPCA se mantêm como os mais representativos do estoque do programa, somando R$ 32,37 bilhões, ou 56,20% do total. Na sequência, vêm os títulos indexados à taxa Selic, totalizando R$ 16,54 bilhões (28,71 %), e os títulos prefixados, que somaram R$ 8,63 bilhões, com 14,98% do total. Por último, os títulos indexados ao IGP-M somaram R$ 62,98 milhões (0,11%).

 

Quanto ao perfil de vencimentos dos títulos em estoque, a parcela com vencimento em até 1 ano fechou o mês em R$ 9,13 bilhões, ou 15,86% do total. A parcela do estoque vincendo de 1 a 5 anos foi de R$ 20,60 bilhões (35,77%) e o percentual acima de 5 anos somou R$ 27,86 bilhões (48,37%).

 

O balanço completo do Tesouro Direto está disponível em https://www.tesouro.fazenda.gov.br/pt/balanco-e-estatisticas